Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Liberdade aos 42

Liberdade aos 42

28
Mar22

Alimentos de A a Z... Mel


Na sequência da rubrica "Alimentos de A a Z", hoje, apresento-vos o mel.

Alimentos de A a Z_mel.jpg

O mel é um produto natural que pode ser utilizado com moderação na nossa alimentação, existindo em Portugal uma vasta quantidade de produtores de mel com elevada qualidade.

O mel define-se como uma:

“substância açucarada natural produzida pelas abelhas da espécie Apis mellifera a partir do néctar de plantas ou das secreções provenientes de partes vivas das plantas ou de excreções de insetos sugadores de plantas que ficam sobre partes vivas das plantas, que as abelhas recolhem, transformam por combinação com substâncias específicas próprias, depositam, desidratam, armazenam e deixam amadurecer nos favos da colmeia”(DL Nº. 214/2003).

De acordo com o local onde é produzido e atendendo à flora característica da região polinizada pelas abelhas, o mel adquire características sensoriais únicas.

Em Portugal, existem vários tipos de mel com Denominação de Origem Protegida (DOP), ou seja, com um nome geográfico ou equiparado que designa e identifica um produto originário desse local ou região, cuja qualidade ou características se devem essencial ou exclusivamente ao meio geográfico específico, incluindo factores naturais e humanos e cuja produção têm lugar na área geográfica delimitada. Em Portugal e com estas características existe o Mel da Serra da Lousã DOP, Mel da Terra Quente DOP, Mel de Barroso DOP, Mel do Parque de Montesinho DOP, Mel do Ribatejo DOP, Mel dos Açores DOP, Mel da Serra de Monchique DOP, Mel das Terras Altas do Minho DOP e o Mel do Alentejo DOP. Esta designação garante a obtenção de um produto de qualidade com características únicas, protegendo e valorizando os apicultores locais e promovendo, ainda, o combate à fraude.

 

Características nutricionais do mel

O mel apresenta um elevado valor energético (100g de produto contém 314kcal) e um teor elevado de hidratos de carbono (78g por 100g alimento), encontrando-se na forma de mono e dissacáridos, essencialmente frutose e glucose, estando a primeira em maior concentração.

O mel, apesar de ser natural, não deixa de ser uma fonte de açúcar simples, pelo que deve ser consumido muito ocasionalmente e preferencialmente integrado ou no final de refeições. De facto, este alimento apresenta um valor energético muito parecido com o açúcar refinado (“açúcar branco comum”). Contudo, o mel contém alguns micronutrientes em pequenas quantidades, tais como riboflavina (vitamina B2), niacina (vitamina B3), vitamina B6, potássio, fósforo e magnésio, que lhe confere valor nutricional que o diferencia do açúcar.

O mel, por apresentar uma percentagem significativa de frutose, tem um poder adoçante superior ao açúcar refinado e um índice glicémico inferior, sendo este valor variável de acordo com a origem botânica das flores que lhe dão origem. Se este não for pasteurizado, quando submetido ao frio pode cristalizar.

 

Benefícios associados ao consumo

Desde tempos imemoriais que as propriedades do mel são apreciadas e reconhecidas.

Existem imensas referências históricas a esta substância. Para além das alusões bíblicas, muitos outros povos, como os antigos egípcios ou os gregos, por exemplo, se referiam ao mel como um produto sagrado. Para outros povos, o mel chegou a ser utilizado no pagamento de impostos. Para além de ser usado maioritariamente como adoçante, o mel sempre foi conhecido devido às suas propriedades terapêuticas.

Contudo, é importante salientar que existem vários tipos de mel, consoante a variedade de plantas de onde é extraído o néctar e, também, de acordo com a localização geográfica dessas plantas. Por esta razão, o mel pode apresentar consistências e cores diferentes. Assim, as abelhas podem recolher néctar de uma só flor ou de várias espécies de flores. Poderá optar pelo mel de acácia, de rosmaninho, de tomilho, flor de laranjeira, de pinheiro, entre outros, ou pelo mel obtido da mistura de diversas plantas. No primeiro caso, quando o mel é obtido de uma só planta, para além das propriedades do mel, pode também beneficiar das características das plantas do qual é obtido. Assim, por exemplo, o mel de flor de laranjeira é calmante e digestivo, o mel de tília é útil nas insónias e o mel de eucalipto é usado devido às suas propriedades peitorais e balsâmicas.

Devido à sua riqueza química, o mel apresenta propriedades consideráveis a vários níveis. Assim, devido ao seu teor de açúcares simples, de assimilação rápida, o mel é altamente calórico, pelo que é útil aos desportistas como fonte de energia. O mel é também recomendado em casos de fadiga, stress e falta de tónus.

São atribuídas ao mel propriedades anti-sépticas e antibióticas significativas, pelo que é usado tradicionalmente em gripes, dores de garganta, tosse, etc. É do conhecimento geral, que um chá de limão adoçado com mel pode ser benéfico em constipações e ajuda a aliviar a sensação de garganta irritada.

O mel é também usado externamente devido às suas propriedades anti-microbianas e anti-sépticas, que ajudam a cicatrizar e a prevenir infecções em feridas ou queimaduras superficiais. O mel é também utilizado largamente na cosmética (champôs, cremes, máscaras de limpeza facial, tónicos, etc.) devido às suas qualidades adstringentes e suavizantes.

O mel pode também ser benéfico em algumas perturbações digestivas, pois para além de ser facilmente digerido, poderá ajudar em casos de úlcera, ao exercer uma acção cicatrizante.

Poderá tomar um chá de tília adoçado com mel antes de se deitar para proporcionar uma noite mais repousante.

Devido a todas estas propriedades benéficas e pelo facto do mel ser um alimento saudável e 100% natural, deveria ser incluído na nossa alimentação diária, substituindo, sempre que possível, o açúcar. Deverá, no entanto, ser ingerido com moderação devido ao seu elevado teor calórico (cerca de 3 kcal/g), pelo que não deverá consumir mais de 3 colheres de sopa de mel por dia. O poder adoçante do mel é duas vezes superior ao do açúcar, pelo que basta uma pequena quantidade para adoçar. Pode, por exemplo, adoçar os cereais ao pequeno-almoço ou adoçar as bebidas com mel.

Também o favo de mel, devido ao facto de ser 100% natural, é consumido pelas suas propriedades lubrificantes e aceleradoras do trânsito intestinal.

 

Advertências associadas ao consumo

É importante referir, que apesar dos seus benefícios, o mel é altamente desaconselhado a diabéticos, devido ao seu elevado teor de hidratos de carbono. Também, aqueles que são alérgicos aos produtos da colmeia devem evitar o seu consumo. Alguns autores são da opinião que, devido ao facto do mel ser um produto natural, pode conter esporos de botulina, responsáveis pelo botulismo, que provoca intoxicações graves a crianças com idade inferior a 1 ano de idade. Por esta razão, o mel não deve ser ingerido por crianças com menos de 1 ano.

Desta forma, o mel deve ser um alimento a consumir com bastante moderação por apresentar uma elevada quantidade de açúcares simples. Para além dos factores nutricionais, a preservação das abelhas é uma prioridade, pela sua importância na polinização e na produção de alimentos presentes na nossa alimentação.

 

Sugestões de utilização:

Almôndegas vegetarianas com molho de mostarda e mel

Bacalhau no forno com bacon e mel

Banana quente com um toque de mel

Bifes de perú, limão, mel e canela

Bolo de mel

Bolo de mel com canela

Bolo de mel da Madeira

Bolo de mel e rum

Broas de mel

Entrecosto no forno com mel e mostarda

Frango no forno com limão, mel e alecrim

Lombinho de porco no forno com mel e mostarda

Lombo de coelho com laranja e mel

Medalhões de pescada ao chèvre, nozes e mel

Mousse de mel

Pudim de mel

Pudim de mel_2

Pudim de mel da Ilha do Pico

Queijo de cabra com mel e tostas

Queques de mel e canela

Rolinhos de perú com alperces, mel e mostarda

Salada de agriões, laranja, feta e mel

Salmão com nozes e mel

Salteado de porco caramelizado com pimentos e mel

Tarte de iogurte e mel com framboesas

Tarte de mel

Torta de côco com mel

Torta de mel

 

https://www.celeiro.pt/cuide-de-si/temas-de-saude/mel

https://www.dgav.pt/alimentos/conteudo/generos-alimenticios/regras-especificas-por-tipo-de-alimentos/mel/

https://nutrimento.pt/noticias/mel-nacional-escolha-alimentar-impacto-no-meio-ambiente/

https://pt.euronews.com/green/2021/06/08/mel-e-um-antibiotico-natural

 

Pág. 1/4

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Em destaque no SAPO Blogs
pub