Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Liberdade aos 42

Liberdade aos 42

30
Jul21

Liberdade e organização...


"A organização é indispensável, porque a liberdade só surge e tem sentido dentro de uma comunidade auto-regulamentada de indivíduos que colaboram livremente. Porém, mesmo que indispensável, a organização pode também ser fatal. A organização em excesso transforma em autómatos homens e mulheres, reprime o espírito criador e elimina a própria possibilidade de liberdade. Como sempre, o único caminho seguro está no meio termo, entre o excesso do laissez-faire, num dos topos da escala, e o controlo total, no outro extremo."

Aldous Huxley in Admirável Mundo Novo

 

caracóis.JPG

No campo...

 

23
Jul21

Não há Liberdade sem direcção...


"É fácil estabelecer a ordem de uma sociedade na submissão de cada um dos seus componentes a regras fixas. É fácil moldar um homem cego que tolere, sem protestar, um mestre ou um Corão. Mas é muito diferente, para libertar o homem, fazê-lo reinar sobre si próprio.
Mas o que é libertar? Se eu libertar, no deserto, um homem que não sente nada, que significa a sua liberdade? Não há liberdade a não ser a de «alguém» que vai para algum sítio. Libertar este homem seria mostrar-lhe que tem sede e traçar o caminho para um poço. Só então se lhe ofereceriam possibilidades que teriam significado. Libertar uma pedra nada significa se não existir gravidade. Porque a pedra, depois de liberta, não iria a parte nenhuma."

Antoine de Saint-Exupéry, in 'Piloto de Guerra'

 

caminhos cruzados.JPG

Praia dos três irmãos...

 

16
Jul21

Liberdade e Dignidade...


Diz NÃO à liberdade que te oferecem, se ela é só a liberdade dos que ta querem oferecer. Porque a liberdade que é tua não passa pelo decreto arbitrário dos outros.

Diz NÃO à ordem das ruas, se ela é só a ordem do terror. Porque ela tem de nascer de ti, da paz da tua consciência, e não há ordem mais perfeita do que a ordem dos cemitérios.

Diz NÃO à cultura com que queiram promover-te, se a cultura for apenas um prolongamento da polícia. Porque a cultura não tem que ver com a ordem policial mas com a inteira liberdade de ti, não é um modo de se descer mas de se subir, não é um luxo de «elitismo», mas um modo de seres humano em toda a tua plenitude.

Diz NÃO até ao pão com que pretendem alimentar-te, se tiveres de pagá-lo com a renúncia de ti mesmo. Porque não há uma só forma de to negarem negando-to, mas infligindo-te como preço a tua humilhação.

Diz NÃO à justiça com que queiram redimir-te, se ela é apenas um modo de se redimir o redentor. Porque ela não passa nunca por um código, antes de passar pela certeza do que tu sabes ser justo.

Diz NÃO à verdade que te pregam, se ela é a mentira com que te ilude o pregador. Porque a verdade tem a face do Sol e não há noite nenhuma que prevaleça enfim contra ela.

Diz NÃO à unidade que te impõem, se ela é apenas essa imposição. Porque a unidade é apenas a necessidade irreprimível de nos reconhecermos irmãos.

Diz NÃO a todo o partido que te queiram pregar, se ele é apenas a promoção de uma ordem de rebanho. Porque sermos todos irmãos não é ordenanmo-nos em gado sob o comando de um pastor.

Diz NÃO ao ódio e à violência com que te queiram legitimar uma luta fratricida. Porque a justiça há-de nascer de uma consciência iluminada para a verdade e o amor, e o que se semeia no ódio é ódio até ao fim e só dá frutos de sangue.

Diz NÃO mesmo à igualdade, se ela é apenas um modo de te nivelarem pelo mais baixo e não pelo mais alto que existe também em ti. Porque ser igual na miséria e em toda a espécie de degradação não é ser promovido a homem mas despromovido a animal.

E é do NÃO ao que te limita e degrada que tu hás-de construir o SIM da tua dignidade.

Vergílio Ferreira, in 'Conta-Corrente 1'

 

L_D.JPGEm Liberdade...

 

02
Jul21

Liberdade...


Liberdade
 

E um orador disse: Fala-nos da liberdade!

E ele respondeu:
Nos portões da cidade e junto à vossa lareira, vi-vos prostrarem-se e adorarem a vossa própria liberdade, da mesma forma que os escravos se curvam humildemente perante um tirano e o louvam, apesar de ele os matar.
Sim, entre o arvoredo do templo e na sombra da cidadela vi o mais livre entre vós carregar a sua liberdade como um jugo e um par de algemas.
O meu coração sangrou dentro de mim, pois só podeis ser livres quando até mesmo a vontade de procurar liberdade se tornar um arreio, e quando deixardes de falar da liberdade como um objectivo e uma conquista.
Sereis realmente livres, não quando os vossos dias estiverem livres de preocupações, ou as vossas noites isentas da necessidade e de pesar, mas quando estas coisas assolarem as vossas vidas e, apesar disso, vos elevardes acima delas, nus e libertos.
E como vos elevareis acima dos dias e das noites, a menos que quebreis as correntes que, na alvorada do vosso entendimento, apertastes em torno do vosso zénite?
Na verdade, aquilo a que chamais liberdade é a mais forte dessas correntes, embora os seus elos brilhem ao sol e encandeiem os olhos.
E que são essas coisas que eliminaríeis para serdes livres senão fragmentos do vosso próprio Eu?
Se se trata de uma lei injusta que aboliríeis, essa lei foi escrita com a vossa mão, sobre a vossa própria testa.
Não podeis apagá-la queimando os livros de Direito nem lavando a testa dos juízes, ainda que derrameis o mar sobre eles.
E se se tratar de um déspota que gostaríeis de destronar, tratai primeiro de destruir o trono que lhe erguestes dentro de vós.
Pois como pode um tirano governar quem é livre e orgulhoso, excepto por uma tirania que existe na sua liberdade e uma vergonha que existe no seu orgulho?
Se se trata de uma preocupação a que gostaríeis de voltar as costas, essa preocupação foi escolhida por vós, em vez de vos ser imposta.
Se é um medo que desejaríeis suprimir, esse medo mora no vosso coração e não nas mãos de quem temeis.
Na verdade, todas as coisas se movem dentro do vosso ser num meio-abraço constante, as que desejais e as que temeis, as que vos causam repulsa e as que estimais, as que perseguis e as que quereis evitar.
Estas coisas movem-se dentro de vós como luzes e sombras, em pares que se agarram.
Quando uma sombra se desvanece e desaparece, a luz que subsiste torna-se sombra para outra luz.
E, assim, quando a vossa liberdade perde os grilhões, transforma-se ela mesma nos grilhões de uma liberdade maior.

 
Khalil Gibran
 
 

V_Esp.JPG

Ria de Alvor

 
25
Jun21

Ser Livre...


"Ser livre é não ser escravo das culpas do passado nem das preocupações do amanhã. Ser livre é ter tempo para as coisas que se ama. É abraçar, se entregar, sonhar, recomeçar tudo de novo. É desenvolver a arte de pensar e proteger a emoção. Mas, acima de tudo, ser livre é ter um caso de amor com a própria existência e desvendar seus mistérios."

Augusto Cury

 

m1.JPG

Praia dos três irmãos

 

11
Jun21

A Liberdade e a Natureza...


"A Natureza é o ambiente onde a Liberdade se expande melhor.

A simplicidade da Natureza provoca a descomplicação dos seus sentimentos.

Todos os seus pensamentos ficam em êxtase perante a Natureza e você se sente em melhores condições de separar o trigo do joio."

Al Stevens

 

A Natureza...

 

28
Mai21

Sobre a Liberdade...


Se te quiserem convencer de que é impossível, diz-lhes que impossível é ficares calado, impossível é não teres voz. Temos direito a viver. Acreditamos nessa certeza com todas as forças do nosso corpo e, mais ainda, com todas as forças da nossa vontade. Viver é um verbo enorme, longo. Acreditamos em todo o seu tamanho, não prescindimos de um único passo do seu/nosso caminho.

Sabemos bem que é inútil resmungar contra o ecrã do telejornal. O vidro não responde. Por isso, temos outros planos. Temos voz, tantas vozes; temos rosto, tantos rostos. As ruas hão-de receber-nos, serão pequenas para nós. Sabemos formar marés, correntes. Sabemos também que nunca nos foi oferecido nada. Cada conquista foi ganha milímetro a milímetro. Antes de estar à vista de toda a gente, prática e concreta, era sempre impossível, mas viver é acreditar. Temos direito à esperança. Esta vida pertence-nos.

Além disso, é magnífico estragar a festa aos poderosos. É divertido, saudável, faz bem à pele. Quando eles pensam que já nos distribuíram um lugar, que já está tudo decidido, que nos compraram com falinhas mansas e autocolantes, mostramos-lhes que sabemos gritar. Envergonhamo-los como as crianças de cinco anos envergonham os pais na fila do supermercado. Com a diferença grande de não sermos crianças de cinco anos e com a diferença imensa de eles não serem nossos pais porque os nossos pais, há quase quatro décadas atrás, tiveram de livrar-se dos pais deles. Ou, pelo menos, tentaram.

O único impossível é o que julgarmos que não somos capazes de construir. Temos mãos e um número sem fim de habilidades que podemos fazer com elas. Nenhum desses truques é deixá-las cair ao longo do corpo, guardá-las nos bolsos, estendê-las à caridade. Por isso, não vamos pedir, vamos exigir. Havemos de repetir as vezes que forem necessárias: temos direito a viver. Nunca duvidámos de que somos muito maiores do que o nosso currículo, o nosso tempo não é um contrato a prazo, não há recibos verdes capazes de contabilizar aquilo que valemos.

Vida, se nos estás a ouvir, sabe que caminhamos na tua direcção. A nossa liberdade cresce ao acreditarmos e nós crescemos com ela e tu, vida, cresces também. Se te quiserem convencer, vida, de que é impossível, diz-lhe que vamos todos em teu resgate, faremos o que for preciso e diz-lhes que impossível é negarem-te, camuflarem-te com números, diz-lhes que impossível é não teres voz.

José Luis Peixoto, in 'Abraço'

 

13
Abr21

Gratidão e Liberdade de escolha...


Ontem tive de sair por volta das 13h para tratar de uma questão burocrática no Banco... depois de alguns episódios caricatos (que não importa aqui revelar), cerca das 14:30h estava despachada...

Estava uma tarde agradável, com Sol e algum vento e, ao invés de regressar a casa, resolvi ir até à Zona Ribeirinha de Alvor para tomar uma bebida fresca numa das esplanadas "coladas" à Ria...

Uma vez chegada ao local, a escolha da esplanada revelou-se (muito) fácil... apenas uma se encontrava em funcionamento...

Sentei-me numa cadeira, junto a uma mesa, de frente para a Ria...

V_Esp.JPG

 

E... rapidamente, o empregado de mesa se aproximou e perguntou se desejava fazer o pedido ou se aguardava por alguém... sorri e respondi que a companhia que desejava estava muito longe, por isso, seria apenas eu... ele retribuíu o sorriso e tomou nota do pedido (apesar de ambos usarmos máscaras, a troca de olhares denunciou os nossos sorrisos!)...

Enquanto aguardava pela minha bebida, fui surpreendida por uma bela companhia (que aparecia e desaparecia ao sabor da sua vontade)...

Pardal_1.JPG

Pardal_2.JPG

 

Gostaria de vos dizer que, enquanto saboreava a minha bebida e desfrutava da vista e da companhia intermitente deste simpático pardal, desfrutava do maravilhoso odor a maresia (que tanto aprecio)... só que não!!!... lamentavelmente, o único odor que pairava no ar (e nos irrompia narinas adentro, sem pedir licença) era o desagradável e enjoativo cheiro a fritos, que se sobrepunha, até, ao fumo dos cigarros dos fumadores ali presentes!!!

Mas... apesar desse desagradável facto, apenas conseguia sentir uma Enorme Alegria... só pensava o quanto me sentia Grata por ter Liberdade de escolha (e coragem) para dizer "basta!" e mandar "às urtigas" (ou a outro qualquer sítio que a vossa imaginação ditar) todos aqueles que não respeitam o meu trabalho e a minha forma de estar na Vida... 

(talvez quem não me conheça pense que é fácil "falar de barriga cheia"... são Livres de pensar o que quiserem... mas, a verdade, é que por mais dificíl que seja a situação, eu escolho sempre estar de consciência tranquila, nunca me trair, manter-me fiel aos princípios e valores que norteiam a Minha Vida, mesmo que isso me traga inúmeros dissabores...)

Terminada a bebida, fui passear um bocadinho à beira-ria...

cais.JPG

Desci até ao cais e deparei-me com um Enorme cardume de minúsculos peixinhos (muito difíceis de fotografar, tal era a velocidade a que se moviam!)...

cardume.JPG

 

No lado oposto à Ria, uma arriba transbordante de Vida...

arriba.JPG

 

Mais adiante, a Natureza mostra-se indiferente a qualquer confinamento e, resiliente como só Ela, floresce em qualquer ambiente...

Nat_cfn.JPG

Nat_palm.JPG

 

Já de regresso a casa... fui matar Saudades do Meu MAR...

MAR.JPG

MAR_P.JPG

 

Voltei para casa de coração cheio!

(De facto, preciso de muito pouco para me sentir Feliz!)

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Em destaque no SAPO Blogs
pub