Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Liberdade aos 42

Liberdade aos 42

17
Abr19

Regressar a "casa"...


 

Bom dia Pessoas Lindas e Maravilhosas!

Já perceberam, certamente, que sou uma pessoa de afectos, uma “construtora de pontes”… tive os Melhores Mestres do Universo (os Meus Queridos Pais)

Tive o grato privilégio de crescer numa Enorme “bolha de AMOR”, ao ritmo da Natureza…

A minha (Enorme) Paixão (e ligação) à Terra, às plantas, aos animais… é algo intrínseco, parte inalienável do meu Ser, que se confunde com a minha essência…

Por circunstâncias da Vida… durante cerca de duas décadas (dos 20 aos 40), vi-me privada dessa realidade, que AMAVA e me preenchia, enquanto Ser Humano pensante e actuante…

Durante esta fase… andei “perdida”… à deriva, num Mar revolto de emoções…

Deixei de me reconhecer… sentia que, tinha perdido, algures, uma peça fundamental da minha engrenagem (“aquele” pedacinho do puzzle)

Os dias deixaram de ser vibrantes, sem surpresas deliciosamente loucas e alucinantes, sem a magia da descoberta, sem o perfume dos campos, sem a melodia das aves, sem os arranhões de trepar às árvores (na infância), para espreitar os ninhos ou colher o mais docinho e suculento dos frutos…

A verdade é que… EU… já não era EU…

Percebi que, algo, teria de mudar…

Queria… precisava (urgentemente)… de recuperar a minha identidade… o Meu AMOR à Vida… àquilo que me tornava GENTE (com alma dentro)… que fazia o meu coração palpitar, vibrante, de emoção…

Mudei de rumo…

Voltei ao trilho da LIBERDADE… voltei a sujar-me de terra, a criar Vida… a VIVER em sintonia com o pulsar da Natureza… nas asas do vento… ao sabor dos sentidos…

Construí uma pequena horta biológica (prometo falar dela, com detalhe, num próximo post), que me serve de “âncora”, (sempre que o meu coração palpita, desgovernadamente, ansioso e a minha mente viaja, frenética, à velocidade da luz) e me traz, de volta, ao ritmo harmónico da Natureza…

Deixo-me envolver pela cadência, do crescimento saudável, das minhas maravilhosas alfaces (isto não é nada “poético”, mas é verdade!), que se desenvolvem, naturalmente, sem pressas… e, então… como que, por magia, o meu ritmo cardíaco abranda, suavemente, e a minha mente aquieta-se, embalada pela melodia do silêncio, em consonância com a Natureza…

Regresso a “casa”… à minha essência… sinto-me, EU!!!

Dia Feliz!   

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Em destaque no SAPO Blogs
pub