Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Liberdade aos 42

Liberdade aos 42

02
Out20

A Liberdade de... outradecoisanenhuma


IMG-20200919-WA0001.jpg

 

Ao iniciar este texto, lembrei-me de que já tinha escrito outros textos em que falava de liberdade. Liberdade de expressão, por exemplo, que se confunde, tantas vezes, com a possibilidade de exprimir tudo e mais alguma coisa – verdade ou mentira, facto ou ficção, opinião ou crença, crítica ou insulto – pelo (não tão simples) facto de se viver num país livre. Parece a mesma coisa, mas não é bem. Digo eu, que nem sei se sei definir Liberdade. Partindo do princípio de que haja tal definição, e não apenas estados de liberdade, momentos em que podemos assegurar que, por um instante que fosse, fomos extraordinariamente livres. Vi gente ser livre com tão pouco, e vi gente cheia de tudo e de nadas aprisionada uma vida inteira.

Já vivi num país menos livre do que Portugal. Aí, nesse outro país que ainda não deixei de amar, ser livre podia ser apenas (nunca é “apenas”) sair à rua de mini-saia, coisa que deixei cair ao segundo ou terceiro dia; ao contrário de uma grande amiga, que nunca esmoreceu na audácia de as vestir.

Não sei se por isso, o meu, e só meu, conceito de liberdade foi-se adensando com o passar dos anos, não tendo, porém, mudado dramaticamente com a pandemia e o confinamento que nos amordaçaram os últimos dias; os últimos meses. Mas, talvez me tenha dado conta de que muitos de nós não éramos tão livres quanto supúnhamos; e outros não eram tão livres quanto gostariam. Eventualmente, alguns ter-se-ão dado conta de que, afinal, não gostavam assim tanto da liberdade de que se sentiam donos. Não será sempre assim? Ser livre arrasta consigo a responsabilidade tremenda de assumir as consequências dessa liberdade que se quer agarrar com teimosia e zelo. Nesse sentido, ser livre pode ser também – e é! – um acto de provocação. Como a mini-saia da minha amiga, mas não só.

Há liberdades fáceis de definir nos pergaminhos da Lei. Umas mais fáceis de definir que outras, é certo, mas a Liberdade? Talvez só a de Cícero, a do pensamento. Ou a de Aristóteles, um homem livre é senhor da sua vontade e somente escravo da sua própria consciência, e naquele somente, talvez, caiba tudo o que é preciso para sermos verdadeiramente livres.

E há os que julgam ser livres, e nunca alguém será livre enquanto existirem os flagelos, como sentenciou Camus, na sua peste de 1947, um esquisso dos dias de hoje, medonhos, um acto de adivinhação de que só os mais livres são capazes. Acho que a Liberdade é sobretudo isso. Não nos trairmos, não abdicarmos de nós. Não abdicar de mim. Desses instantes que me mantêm inteira. Não adulterar nenhuma parte importante de nós; eleger armas e batalhas sem desobedecer a quem somos; escolher os silêncios ou as palavras, o sol ou a chuva, querer e não querer sem mandamentos impostos contra a nossa vontade, essa vontade de que nos fazemos, passo-a-passo, e que, por isso, não é volúvel, mesmo que possa durar um instante: um pôr-do-sol em chamas, um abismo, um engano, um pecado consentido, sem sentido, uma manhã de chuva, como esta, em que te escrevo, querida MJP, embalada pelo restolhar dos pingos, grossos, que se estilhaçam, lá fora, no asfalto enegrecido da rua. Nas cidades não cheira a terra, mas tenho a liberdade de o imaginar, e, imaginando-o, de o sentir. O cheiro a terra molhada. E agradeço-te a liberdade, e o carinho, de me teres convidado a invadir o teu espaço. Obrigada. 

Obrigada também aos que, passando por cá, tomam a liberdade de emprestarem, à minha, parte do seu precioso tempo.

 

Texto e imagem da autoria de: outradecoisanenhuma

 

32 comentários

Comentar post