Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Liberdade aos 42

... a vida depois da enfermagem...

Liberdade aos 42

... a vida depois da enfermagem...

27
Mar20

A Liberdade de... Travellight


 

Liberdade

 

fullsizeoutput_45d4

 

Liberdade… Quantos vezes sentimos a sua falta e quantas vezes temos vontade de partir, de fugir das responsabilidades, das decisões que não conseguimos tomar, das dificuldades e de tudo mais que nos aflige…

Voar como um pássaro, poder ir e vir, sem restrições, sem preocupações? Será isso ser livre?

Liberdade não é a ausência de compromissos, mas a capacidade de escolher e me comprometer com o que é melhor para mim.” escreveu Paulo Coelho no livro ”O Zahir”. 
Concordo, mas isso requer coragem e nem sempre é fácil, porque não existimos sozinhos no mundo e as nossas decisões tem consequências que inevitavelmente afetam os que estão à nossa volta. Ser livre para poder cometer erros, falhar, tentar novamente e assumir riscos, implica aceitar que podemos ser incompreendidos e até deixar ficar mal alguém que dependa de nós.

Mas eu acho que a liberdade não é apenas fazer o que queremos num determinado momento; É também construir o nosso caminho, decidindo como, onde e com quem o queremos percorrer.

Sempre me considerei privilegiada por ser portuguesa e por ter nascido no ano em que nasci. Tenho direitos e liberdades que noutro lugar ou noutro tempo, apenas por ser mulher, me poderiam ter sido negados. Se tivesse nascido um século antes, por exemplo, não poderia votar e não poderia trabalhar fora ou viajar para o estrangeiro sem autorização do meu marido. A minha vida seria totalmente diferente.

Eu não seria verdadeiramente livre. Eu não poderia escolher o que é melhor para mim.

Convém porem não esquecer que aliado à capacidade de escolha, está a responsabilidade que emana desse privilégio. É aqui que a moral e a ética, próprias de cada pessoa e de cada sociedade, pesam.

Viajar meio mundo permitiu-me conhecer diferentes realidades. Ver de perto como funcionam democracias e ditaduras. Questionar o mundo e o meu lugar nele.
Será que a democracia funcionaria sem as regras e leis que punem exatamente a falta de responsabilidade associada à liberdade?

Eu sou livre dentro de um espaço limitado, aquele que marca os meus próprios valores e aqueles que as leis me proporcionam. Em alguns países, essas leis estarão de acordo com o que acredito, em outros serão mais restritivas, e o conflito poderá surgir.

Onde entra a "liberdade" nisto tudo?

Na minha perspetiva a liberdade corresponde não só à escolha de uma ou outra ação, mas estende-se também aos pensamentos e emoções. Implica alcançar a sintonia entre valores, desejos, comportamentos e atitudes.

E é por isso que viajar é tão importante para mim. É o laboratório perfeito para questionar e testar todas as suposições, medos e ideias pré-concebidas. Dessa descoberta podem surgir novas conclusões e novas maneiras de pensar.
Uma coisa é ler sobre um lugar, outra é andar pelas ruas, comer a comida e interagir com outro povo e outra cultura. A experiência de viajar reforça que, embora possamos parecer muito diferentes uns dos outros, muitas vezes trabalhamos na direção de um mesmo objetivo. Vemos o outro em nós, e nós mesmos no outro.

Quando saímos do nosso cantinho, descobrimos que fazemos parte de uma comunidade mundial e essa consciência obriga-nos a cuidar do planeta, a cuidar da humanidade e a assumir responsabilidades. A nunca desistir de lutar pela liberdade dos nossos valores mas também a perceber que nem sempre os valores dos outros estão errados.

 

Texto e foto da autoria de: Ana Barreto

 

28 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D