Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Liberdade aos 42

Liberdade aos 42

20
Jul20

Alimentos de A a Z... Alfarroba


 

Hoje trago-vos a Alfarroba (do árabe al karrub, a vagem), fruto da alfarrobeira (Ceratonia siliqua L.)

 

Alimentos de A a Z_alfarroba.gif

 

História

Originária das zonas costeiras do Médio Oriente, de onde se estendeu para Ocidente, terá chegado à Península pela mão dos Árabes.

Julga-se que as suas sementes tenham sido usadas, no antigo Egipto, para a preparação de múmias (foram, encontrados vestígios de suas vagens em túmulos).

Existem,também, indícios de que os romanos mastigavam as suas vagens secas, muito apreciadas pelo seu sabor adocicado.

A semente da alfarroba, devido ao seu baixo peso e uniformidade, foi utilizada por mercadores para avaliar jóias, nomeadamente diamantes - a unidade quilate (carat) era o peso de uma semente de alfarroba.

As vagens, conhecidas na literatura anglo-saxónica por «St. John Bread», terão sido utilizadas na alimentação por S. João Baptista aquando da sua passagem pelo deserto.

Em 1841, Silva Lopes afirma que a Alfarroba é utilizada como «alimento de gente pobre, e torrada não deixa de ser saborosa» e informa que, em 1777, a alfarroba ocupava o 5.° lugar das exportações feitas por via marítima algarvia. Há referências datadas de 1579 segundo as quais a alfarroba já era comercializada em feiras algarvias, como a de Tavira.

 

Uso 

A pele da alfarroba é utilizada, na forma de crob powder, no fabrico de tabletes dietéticas, cobertura de bolos, pão, etc. A polpa é muito utilizada na indústria agro-pecuária como ração animal. Da polpa também se obtém um xarope, usado na cobertura do café torrefacto, como corante na indústria alimentar e farmacêutica e como substituto açucarado na produção de gomas por via microbiológica. Da semente obtém-se o endosperma e o germe. Do endosperma é extraída a goma de semente de alfarroba (E 410) usada como espessante, estabilizante, emulsionante e gelificante em gelados, sopas, etc., bem como na indústria farmacêutica e cosmética. A farinha de germe utiliza-se na alimentação humana, em produtos dietéticos, como fonte proteíca.

Na cozinha tradicional algarvia tem grande expressão o Pão de Alfarroba.

A farinha de alfarroba é a fracção obtida pela trituração e posterior torrefacção da polpa da vagem. Contém, em média, 48-56% de açúcar (essencialmente sacarose, glucose, frutose e manose), 18% de fibra (celulose e hemicelulose), 0,2-0,6% de gordura, 4,5% de proteína e elevado teor de cálcio (352 mg/100 g) e de fósforo. Por outro lado, as características particulares dos seus taninos (compostos polifenólicos) levam a que a farinha de alfarroba seja muitas vezes utilizada como antidiarreico, principalmente em crianças.

 

Benefícos para a saúde

Uma das principais vantagens do uso da alfarroba é o facto de ela ser naturalmente doce, pelo que a adição de açúcar nas receitas pode tornar-se dispensável. Além disso, este fruto apresenta outros incríveis benefícios para a saúde: 

  • ajuda a metabolizar a gordura;
  • é rica em vitamina A, cálcio e magnésio;
  • não contém glúten, lactose ou cafeína.
  • melhora a digestão;
  • reduz o colesterol.



Sugestões de utilização:

Pão de alfarroba

Bolo de Alfarroba

Panquecas de Alfarroba

Queques de Alfarroba

 

https://tradicional.dgadr.gov.pt/pt/cat/pao-e-produtos-de-panificacao/316-pao-de-alfarroba

https://www.adral.pt/pt/rrsilvestres/recursos/Paginas/A-Alfarroba1216-9741.aspx

https://tradicional.dgadr.gov.pt/pt/cat/frutos-secos-secados-e-similares/272-alfarroba

http://www.cgalgarve.com/produtos/alfarroba.htm

 

16 comentários

Comentar post