Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Liberdade aos 42

Liberdade aos 42

04
Jan21

Alimentos de A a Z... Café


Na sequência da rubrica "Alimentos de A a Z", hoje, apresento-vos o café.

 

Alimentos de A a Z_café.gif

 

História do café

A planta do café é originária da Etiópia. Usada como alimento, é em 575 d.C. que passa a ser cultivada pelos árabes com o objectivo de a utilizarem na preparação de uma bebida. Segundo as primeiras referências, o café foi classificado na família dos evónimos e logo depois na família dos jasmins. Mais tarde, o café foi incorporado por Linneo e, posteriormente por De Jussie, como pertencente à família das Rubiáceas, género coffea.

A história mais generalizada atribui a descoberta das propriedades do café a um prior de um mosteiro cristão, no qual um pastor de cabras, de nome Kaldi, se teria apercebido de que os animais confiados à sua guarda, após haverem comido de “uma certa planta” não podiam conciliar o sono e ficavam em grande agitação. O prior certificou-se do facto e utilizando os grãos dessa planta fez beber a decocção obtida aos seus monges, os quais, graças a ele, ficavam mais despertos durante os ofícios religiosos da noite.

A introdução do café comercial, na Europa, deu-se através de Veneza, onde o primeiro café público "Café Florian" abriu em 1645. O café chegou pouco depois a França (1659), tendo o seu consumo expandindo-se rapidamente e em grande escala.

As "casas de café" na Europa tornaram-se, desde então, lugares influentes, frequentados por artistas, intelectuais, mercadores, banqueiros, etc., sendo um fórum para actividades políticas e desenvolvimento da sociedade.

Surgiram vários opositores ao café em todos os lugares. Na Itália, por volta do ano de 1600 os padres pediram ao Papa Clemente VIII para proibir a bebida favorita do Império Otomano considerando-a parte da infiel ameaça, porém após o Papa beber um gole achou-a deliciosa e baptizou-a como uma aceitável bebida aos cristãos de todo o mundo.

No século XVIII, em Portugal, com Francisco de Melo Palheta, durante o reinado do rei D. João V, conseguiu introduzir o café na ex-colónia do Brasil e transformá-lo no maior produtor de café mundial. A partir do Brasil o café foi levado para as ex-colónias Cabo Verde e S. Tomé e Príncipe.

Em Angola o café surgiu anteriormente, pensa-se que foi introduzido pelos missionários portugueses. Em Timor o café deu entrada por via de Java com os holandeses.

O cafeeiro Arábica foi introduzido em S. Tomé a partir do Brasil por volta de 1800. Pela mesma época, o cafeeiro foi introduzido pelos portugueses em Cabo Verde.

Em Angola, o grupo dos cafeeiros dominante era o Robusta, responsável por 90-95% da produção de café comercial deste território.

Durante o séc. XVIII apareceram os primeiros cafés públicos inspirados nas tertúlias francesas do séc. XVII, tornaram-se espaços de animação cultural e artística. Surgiram assim, vários cafés em Lisboa, entre eles o Martinho da Arcada, Café Tavares, Botequim Parras. Já no princípio do séc. XIX abriram os famosos cafés Marrare fundados por António Marrare, siciliano de origem, negociante de vinhos engarrafados, licores e café. Tal como era referido na altura "Lisboa era Chiado, o Chiado era o Marrare e o Marrare ditava a lei". Com Júlio Castilho, Almeida Garrett, Alexandre Herculano, entre outros, estes cafés públicos foram autênticas academias de moda e de pensamento.

Foi então criada, em 1963, a Organização Internacional do Café (ICO) sediada em Londres.

Foram estabelecidas quotas de café tanto a países produtores como importadores de forma a evitar uma contínua variação dos parâmetros em jogo. Esta organização é sustentada por verbas provenientes dos seus membros, distribuídas proporcionalmente à posição que ocupam no mercado internacional. Assim, o Brasil e a Colômbia por um lado e os EUA e alguns países da Europa ocidental por outro, são o sustentáculo económico da organização. Sob o controlo da ICO, os preços permaneceram relativamente estáveis durante quase 25 anos. Em finais dos anos 80 o acordo começou a não funcionar convenientemente. Produzia-se um excesso global de café e muitos países não estavam de acordo com as quotas que lhes eram atribuídas pela ICO.

 

Informação nutricional

O café é um fruto com uma composição extremamente complexa. Actualmente estão já identificadas cerca de 2000 substâncias nesta bebida, que além de contém e sais como , , , , entre outros de menor expressão.

Na ingestão de café torrado ou solúvel simples (sem adição de leite e açúcar), despreza-se a contribuição energética, uma vez que uma chávena contém 2 a 5 kcal. No entanto, a composição nutricional do café varia de acordo com a espécie do grão, a quantidade de café verde, o processo de transformação, o grau de torrefacção e moagem, o método de preparação, o tipo de água utilizada e o volume de bebida.

A Food and Drug Administration (FDA) considera a ingestão de 300 mg de por dia, segura em adultos saudáveis.

 

Benefícios e alertas associados ao consumo

É uma verdade incontornável que a ingestão moderada de café não apresenta risco para a saúde, conferindo até mesmo um efeito protector para várias patologias. 

A é uma substância psicoativa que pertence ao grupo das . Com efeito estimulante a nível do sistema nervoso central (SNC), é capaz de inibir os receptores de , impossibilitando a sua acção tranquilizante no SNC. É também responsável pela diminuição da sensação de fadiga e sonolência e pelo aumento da capacidade de alerta, o que afecta positivamente o rendimento físico e intelectual. São muitos os estudos que indicam que o consumo baixo e moderado de café (1 a 3 chávenas de 150 ml por dia) afecta positivamente a sensação de bem-estar generalizado, relaxamento e boa disposição. Contudo, o consumo excessivo desta bebida (mais de 5 chávenas de 150 ml por dia) poderá suscitar comportamentos menos positivos, tais como nervosismo, ansiedade, agressividade, insónia, taquicardia e tremores.

A ingestão de 1 a 3 chávenas de café por dia (consumo baixo e moderado) parece reduzir em 24% o risco de doença cardiovascular, o que se deve provavelmente à acção antioxidante dos compostos  e ao aumento das lipoproteínas de alta densidade (HDL) que exercem efeitos anti-aterogénicos. Sabe-se também que a ingestão de causa um aumento modesto na pressão arterial, contudo, até ao momento, não existe consenso inequívoco sobre a relação directa entre a ingestão de café e a Hipertensão Arterial.

Está igualmente provado que a ingestão de café reduz o risco de desenvolvimento de  (DT2), pois o seu consumo apresenta efeito benéfico na  e  em indivíduos com hiperglicemia intermédia ou com DT2, sendo mais marcado nos momentos pós-prandiais (após as refeições).

O consumo moderado de café pode influenciar positivamente o funcionamento dos rins, evitando o desenvolvimento de , porque favorece o funcionamento do aparelho urinário.

A consegue passar a barreira placentária, contudo está demonstrado que o consumo moderado de café não tem efeitos negativos nem na saúde da gestante, nem na do feto. Mesmo assim deve seguir o conselho médico.

 

Comprar e conservar

Para os verdadeiros apreciadores de café, saber escolher e conservar o seu aroma e sabor durante mais tempo, parece ser fundamental.

Sucintamente podemos encontrar quatro factores que contribuem para a deterioração do café e que por esse motivo devem ser evitados, quer no momento da compra, quer aquando do armazenamento, em casa. São eles o ar, a humidade, o calor e a luz. Assim, de forma a conservar a frescura do café e evitar estes factores, as embalagens originais onde este é comercializado são concebidas para conservar todas as suas propriedades e frescura até ao momento em que este é consumido. Ao realizar a compra deve estar atento/a e verificar qual o café que prefere, segundo o seu teor em .

Após a compra do café, deve saber quais os melhores locais para o guardar. Os espaços secos, escuros e frescos, como por exemplo despensas ou armários, são os preferíveis. Já o frigorífico e o congelador não parecem ser eficazes para armazenar o café, uma vez que contêm elevados níveis de humidade e odores, que são facilmente absorvidos, alterando assim o aroma e o paladar que o caracteriza. Deve também evitar que o café seja armazenado perto de fontes de calor, como por exemplo o micro-ondas ou o fogão e até mesmo em locais onde haja exposição solar. No caso de preferir armazenar o café numa simples prateleira deve certificar-se que este esteja guardado num recipiente opaco.

 

Sugestões de utilização:

Azeite de café

Batido de café

Bife com molho de café

Bife com molho de café e pimenta rosa

Bolachinhas de café

Bolinhos de noz e café

Bolo de café

Bombons de café

Bombons de praliné com côco e café

Brownies de café

Café bombom gelado | Café gelado com leite condensado

Cheesecake de café

Creme brûlée de café

Granita de café

Licor de chocolate e café

Madalenas de café

Mousse de chocolate e café

Parfait de café

Pudim de café

Strogonoff de vaca com café

Torta de café

 

https://www.deltacafes.pt/pt/o-cafe/historia

https://lifestyle.sapo.pt/saude/peso-e-nutricao/artigos/os-efeitos-surpreendentes-do-cafe-explicados-por-um-medico

https://lifestyle.sapo.pt/saude/peso-e-nutricao/artigos/aceita-um-cafe-os-efeitos-a-dose-ideal-desta-bebida

https://www.acs.org/content/acs/en/pressroom/newsreleases/2020/april/using-chemistry-to-unlock-the-difference-between-cold--and-hot-brew-coffee-video.html

https://lifestyle.sapo.pt/saude/saude-e-medicina/artigos/cafe-reduz-risco-de-progressao-do-cancro-da-prostata

https://www.lusiadas.pt/blog/prevencao-estilo-vida/nutricao-dieta/cafe-principais-beneficios

https://saboreiaavida.nestle.pt/bem-estar/cafe#gs.pcftwk

 

26 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Em destaque no SAPO Blogs
pub