Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Liberdade aos 42

Liberdade aos 42

07
Nov22

Alimentos de A a Z... Vinho


Na sequência da rubrica "Alimentos de A a Z", hoje, apresento-vos o vinho.

Alimentos de A a Z_vinho.jpg

O vinho está ligado à evolução da medicina desde a antiguidade. Os primeiros curandeiros usavam-no em variadas receitas e, além de servir de cura para algumas doenças, servia também para desinfectar feridas de guerra.

O vinho é uma bebida alcoólica feita, tradicionalmente, a partir da fermentação do sumo de uva (também chamado mosto). Os  da fruta, por acção de microorganismos, são convertidos em álcool etílico. 

Existem cinco tipos distintos de vinhos: os vinhos tintos, os brancos, os rosés, os espumantes e os vinhos fortificados. Em Portugal existe um tipo de vinho específico, o vinho verde, que pode ser tinto ou branco, mas devido à sua acentuada acidez pode ser considerado como uma categoria à parte. Os vinhos tintos podem ser obtidos através das uvas tintas ou das tintureiras (aquelas em que a polpa também possui pigmentos). Os vinhos brancos podem ser obtidos através de uvas brancas ou de uvas tintas desde que as cascas dessas uvas não entrem em contacto com o mosto e que essas não sejam tintureiras. Já os vinhos rosés podem ser feitos de duas maneiras: misturando-se o vinho tinto com o branco ou diminuindo o tempo de maceração (contacto do mosto com as cascas) durante a vinificação do vinho tinto. O espumante é um vinho que passa por uma segunda fermentação alcoólica, que pode ser na garrafa, chamado de método tradicional ou champenoise, ou em auto-claves (tanques isobarométricos) chamados charmat. Ambas as formas de vinificação fazem a fermentação em recipiente fechado, incorporando assim dióxido de carbono (CO2) ao líquido e dando origem às borbulhas ou pérlageOs vinhos fortificados são aqueles cuja fermentação alcoólica é interrompida pela adição de aguardente (~70% vol). De acordo com o momento da interrupção, e da uva que está sendo utilizada, ficará mais ou menos doce. O grau alcoólico final dos vinhos fortificados fica entre 19-22% vol. Os mais famosos são o Vinho do Porto (Portugal), o Vinho da Madeira (Portugal), o Xerez (Espanha) e o Marsala (Sicília).

Quanto à classe, os vinhos classificam-se em:

  • vinhos de mesa (sofre apenas uma fermentação, atingindo um grau alcoólico médio);
  • espumante (sofre duas fermentações, para obter maior quantidade de gás carbónico, responsável pelas borbulhas);
  • vinho licoroso;
  • vinho fortificado (recebe uma quantidade adicional de álcool durante a fermentação, ficando com um elevado teor alcoólico).

Quanto à cor os vinhos classificam-se em tinto, rosé e branco.

Quanto ao teor de açúcar, os vinhos classificam-se em:

  • Nature;
  • Extra-bruto;
  • Bruto;
  • Seco, sec ou dry;
  • Meio-doce, meio-seco ou demi-sec;
  • Suave;
  • Doce

Os vinhos são compostos basicamente por água (85 a 90%), álcool (7 a 24%), ácidos e  provenientes das uvas. O teor alcoólico do vinho pode variar entre 10 a 15%, podendo alcançar valores superiores (cerca de 20%) no caso de vinhos fortificados.

Portugal é um país com uma longa tradição na produção de vinho, tendo sido exportador deste produto desde tempos remotos. A produção de uvas e de vinho é tradicionalmente dispersa, com elevado número de produtores de uvas e um elevado número de pequenas adegas. Nas décadas de 50 e 60 do século XX, houve um esforço de concentração da oferta de vinho, com a criação de mais de uma centena de adegas cooperativas distribuídas por todo o país.

 

Benefícios associados ao consumo

O maior responsável pelos benefícios do vinho para a saúde é um componente chamado resveratrol. No fundo, é um elemento presente na película das uvas, em especial nas uvas tintas, que é associado a uma série de benefícios para a saúde.

Controla níveis de colesterol

O vinho tem propriedades que fazem aumentar o bom colesterol (HDL) e diminuir o mau (LDL), prevenindo assim a obstrução das artérias

Previne o cancro do cólon

O resveratrol é mesmo um dos agentes mais eficazes que na prevenção de cancro

Combate artrites e fibromialgia

Mais uma vez, o resveratrol tem propriedades analgésicas e antiflamatórias

Previne o Alzheimer

O vinho, em especial o vinho tinto, tem componentes que evitam a acumulação de placas de proteínas tóxicas no cérebro

Ajuda a emagrecer

Diminui a criação de gordura dentro das células gordurosas.

Reduz o risco de depressão

Estudos recentes provam que os consumidores moderados de vinho estão menos sujeitos a depressões

Reduz o risco de diabetes tipo 2

Esta redução de risco é especialmente considerável em mulheres

Eficaz no tratamento da anemia

Está provado que o álcool ajuda a absorver o ferro ingerido nos alimentos

Reduz o risco de osteoporose

Pela capacidade de melhorar a densidade óssea, o vinho é óptimo para a prevenção

 

Advertências associadas ao consumo

O consumo excessivo está associado a factores de risco para a  e hipertensão. O álcool do vinho provoca ainda alterações da capacidade de concentração e de reacção, bem como alterações de humor.

A palavra-chave no consumo de vinho é moderação! Se bebermos mais do que o recomendado, perdemos os seus benefícios por completo e os riscos de saúde aumentam.

Integrado num estilo de vida saudável, a recomendação de um grande número de especialistas é o consumo de 1 a 2 copos de vinho por dia, junto com a refeição.

 

Como comprar e conservar

Os vinhos devem conservar-se em local seco e fresco (12 a 18º). Em adega, as garrafas devem estar na posição horizontal ou na vertical, de cabeça para baixo.

Os vinhos brancos e alguns verdes apenas se conservam por 2 anos. Os bons vinhos tintos conservam-se geralmente até 7 anos, no entanto, os tintos de menor qualidade apenas se conservam por 3 a 4 anos.
Os vinhos tintos de melhor qualidade chegam a conservar-se até 15 a 20 anos.

Os vinhos licorosos, como o vinho do Porto e da Madeira atingem 50 anos ou mais, com a qualidade máxima.

 

Sugestões de utilização:

Alcatra açoriana

Bacalhau com vinho do Porto à minhota

Bife na frigideira com molho de vinho tinto

Bolo de maçã com vinho do Porto

Carne de porco à alentejana

Cataplana de tamboril

Chanfana

Charlotte de chocolate com vinho

Doce de abóbora, vinho do Porto e amêndoa

Frango estufado com vinho branco

Marmelada com vinho do Porto

Peito de frango recheado no forno com vinho branco

Pêras com vinho tinto

Pudim ananás com vinho do Porto

Pudim de ovos com vinho do Porto

Pudim de vinho do Porto

Pudim de vinho do Porto branco com côco

Pudins de leite condensado e vinho do Porto

Rabanadas com vinho tinto

Redução de vinho tinto para carnes

Risotto de carne

Risotto de vinho tinto

Tiramisu com vinho do Porto

Trufas de chocolate com vinho do Porto

Vinho quente com anís, laranja e canela

Vitela estufada com vinho verde

 

Vinho – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

9 Benefícios do vinho para a saúde - Vinha

Vinho | NESTLÉ (nestle.pt)

 

7 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2024
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2023
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Em destaque no SAPO Blogs
pub