Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Liberdade aos 42

Liberdade aos 42

07
Mai19

Dia Mundial da Asma


DiaMundialAsma_site.jpgImagem (aqui)

 

O Dia Mundial da Asma celebra-se, anualmente, na primeira terça-feira de Maio.

É organizado pela Global Iniciative for Asthma (GINA), da Organização Mundial da Saúde (OMS) e tem como objectivo melhorar a prevenção da doença e o nível de consciencialização da população.

Trata-se de uma doença inflamatória crónica das vias respiratórias, com uma prevalência elevada (estimando-se que afecte mais de 300 milhões de pessoas, a nível mundial)

Caracteriza-se por diversos sintomas, de onde se destacam: pieira, tosse, falta de ar e opressão torácica.

Esta incapacidade respiratória é provocada pela inflamação (e consequente  estreitamento) das vias respiratórias, em especial, os brônquios.

Os sintomas podem surgir, diversas vezes, ao longo do dia e podem agravar-se durante a prática de exercício físico ou durante a noite. 

Embora não exista cura para a asma, é possível controlar a frequência e intensidade dos sintomas.

A primeira medida é evitar a exposição aos factores desencadeantes. Se não for suficiente,  recomenda-se o uso de medicação, preferencialmente, por via inalatória.

Existem dois tipos de medicação para o controlo de asma: os medicamentos para alívio rápido dos sintomas e das crises de asma (broncodilatadores de curta duração) e medicamentos de acção preventiva, a longo prazo, que previnem o aparecimento de sintomas ou de crises, nomeadamente, os anti-inflamatórios. 

A doença requer tratamento (a longo prazo) e, para muitas pessoas, implica a utilização de medicamentos preventivos para o resto da vida. 

Em Portugal, à semelhança do que acontece nos países industrializados, constitui um importante problema de Saúde Pública, por ser a patologia crónica mais frequente, em todas as faixas etárias.

Com uma tendência de crescimento da sua incidência (número de novos casos) e prevalência (número total de casos), o custo económico da asma é considerável, quer em custos médios directos (consultas, internamentos e medicamentos), quer em custos indirectos (diminuição da qualidade de vida do doente asmático, absentismo e insucesso escolar e tempo de trabalho perdido).

Crê-se que a asma resulte de uma conjugação de factores genéticos (se um dos progenitores sofre de asma, o risco do filho ter a doença é de 25%; se ambos os progenitores sofrem da doença, o risco sobe para 50%)  e ambientais.

Entre os factores desencadeantes, mais comuns, destacam-se os alergénios (ácaros domésticos, baratas, pólen, pêlo de animais e fungos) e diversos factores ambientais, como o fumo de tabaco (activo e passivo), a poluição atmosférica, irritantes químicos, exercício físico e alguns fármacos, nomeadamente, a aspirina.

 
Um dos principais problemas desta patologia é a falta de diagnóstico. Existem muitas crianças que sofrem da doença, sem que a mesma seja detectada precocemente, o que compromete o tratamento e, consequentemente, a qualidade de vida.

 

10 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Em destaque no SAPO Blogs
pub