Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Liberdade aos 42

... a vida depois da enfermagem...

Liberdade aos 42

... a vida depois da enfermagem...

27
Mar20

A Liberdade de... Travellight


 

Liberdade

 

fullsizeoutput_45d4

 

Liberdade… Quantos vezes sentimos a sua falta e quantas vezes temos vontade de partir, de fugir das responsabilidades, das decisões que não conseguimos tomar, das dificuldades e de tudo mais que nos aflige…

Voar como um pássaro, poder ir e vir, sem restrições, sem preocupações? Será isso ser livre?

Liberdade não é a ausência de compromissos, mas a capacidade de escolher e me comprometer com o que é melhor para mim.” escreveu Paulo Coelho no livro ”O Zahir”. 
Concordo, mas isso requer coragem e nem sempre é fácil, porque não existimos sozinhos no mundo e as nossas decisões tem consequências que inevitavelmente afetam os que estão à nossa volta. Ser livre para poder cometer erros, falhar, tentar novamente e assumir riscos, implica aceitar que podemos ser incompreendidos e até deixar ficar mal alguém que dependa de nós.

Mas eu acho que a liberdade não é apenas fazer o que queremos num determinado momento; É também construir o nosso caminho, decidindo como, onde e com quem o queremos percorrer.

Sempre me considerei privilegiada por ser portuguesa e por ter nascido no ano em que nasci. Tenho direitos e liberdades que noutro lugar ou noutro tempo, apenas por ser mulher, me poderiam ter sido negados. Se tivesse nascido um século antes, por exemplo, não poderia votar e não poderia trabalhar fora ou viajar para o estrangeiro sem autorização do meu marido. A minha vida seria totalmente diferente.

Eu não seria verdadeiramente livre. Eu não poderia escolher o que é melhor para mim.

Convém porem não esquecer que aliado à capacidade de escolha, está a responsabilidade que emana desse privilégio. É aqui que a moral e a ética, próprias de cada pessoa e de cada sociedade, pesam.

Viajar meio mundo permitiu-me conhecer diferentes realidades. Ver de perto como funcionam democracias e ditaduras. Questionar o mundo e o meu lugar nele.
Será que a democracia funcionaria sem as regras e leis que punem exatamente a falta de responsabilidade associada à liberdade?

Eu sou livre dentro de um espaço limitado, aquele que marca os meus próprios valores e aqueles que as leis me proporcionam. Em alguns países, essas leis estarão de acordo com o que acredito, em outros serão mais restritivas, e o conflito poderá surgir.

Onde entra a "liberdade" nisto tudo?

Na minha perspetiva a liberdade corresponde não só à escolha de uma ou outra ação, mas estende-se também aos pensamentos e emoções. Implica alcançar a sintonia entre valores, desejos, comportamentos e atitudes.

E é por isso que viajar é tão importante para mim. É o laboratório perfeito para questionar e testar todas as suposições, medos e ideias pré-concebidas. Dessa descoberta podem surgir novas conclusões e novas maneiras de pensar.
Uma coisa é ler sobre um lugar, outra é andar pelas ruas, comer a comida e interagir com outro povo e outra cultura. A experiência de viajar reforça que, embora possamos parecer muito diferentes uns dos outros, muitas vezes trabalhamos na direção de um mesmo objetivo. Vemos o outro em nós, e nós mesmos no outro.

Quando saímos do nosso cantinho, descobrimos que fazemos parte de uma comunidade mundial e essa consciência obriga-nos a cuidar do planeta, a cuidar da humanidade e a assumir responsabilidades. A nunca desistir de lutar pela liberdade dos nossos valores mas também a perceber que nem sempre os valores dos outros estão errados.

 

Texto e foto da autoria de: Ana Barreto

 

20
Mar20

A Liberdade de... Anita


O que é para mim a Liberdade? Para mim que nasci 1 mês antes da Revolução de Abril?

 

Liberdade é a possibilidade de acordar todos os dias sem medo. 

É a possibilidade de deixar os meus filhos na escola com a garantia que tudo corre bem. 

É a possibilidade de conduzir um carro, planear uma viagem, sem ter de imaginar ou pensar: “Para ali não!”

É a forma de me expressar de forma livre, sem prejudicar o outro seja por palavras ou ações.

É a alegria de ver todos os dias os meus filhos crescerem, com amigos diferentes deles, seja em credos ou religiões, sejam pequenos ou grandes, sejam de que etnia forem, de que país forem, com a possibilidade de juntos crescerem enquanto seres humanos.

A liberdade não deixa de existir só por motivos religiosos, sociais, raciais ou políticos. Por vezes outros motivos cortam a liberdade, especialmente a forma de pensar.

A liberdade é algo pelo qual devemos lutar. A nossa luta depende dos nossos atos.

 

Foto Anita.jpg

Texto e foto da autoria de: Anita

 

13
Mar20

A Liberdade de... green.eyes


"Liberdade aos olhos da Green Eyes"

Quando a MJP me pediu para dizer algo sobre "liberdade", pedi para pensar, porque "liberdade" é uma palavra forte.

Talvez a maior parte das pessoas não se apercebam disso, porque nasceu numa época e num pais dito livre.

Mas "Liberdade" é muito mais do que poder usar mini-saia e gritar alto aquilo que se pensa.

Acima de tudo, "liberdade" é respeito pelo próximo. Independentemente da raça, da cor da pele, da ideologia politica, da crença religiosa ou da orientação sexual …

Se não conseguirmos aceitar os outros por aquilo que eles são ou fazem, então, usamos a palavra liberdade em vão.

LIBERDADE = RESPEITO PELO PROXIMO.

 

Texto da autoria de: green.eyes

 

06
Mar20

A Liberdade de... Ana de Deus


 Liberdade-1280x848.jpg

 

a Liberdade entrou na minha vida quando eu tinha quatro anos. quando ía a subir a Alameda da Fonte Luminosa, com a minha mãe, e os militares começaram a descer a lateral. o soldado na primeira chaimite tinha um cravo vermelho e sorria. todo ele sorria. todo o seu corpo sorria. e eu senti Alegria. foi a primeira emoção que aprendi com a Liberdade.

todos os anos celebrávamos a Liberdade e é, deveras, uma celebração enquanto o seu significado é recordado por quem o viveu. apesar de se esmorecer nas novas gerações. agora é cada vez mais um dia de reivindicações políticas. nas gerações mais velhas ainda se recorda. a segunda emoção que aprendi com a Liberdade foi Democracia.

quando fiz dezoito anos o meu pai estava à espera que eu quisesse tirar a carta de condução. eu estava ansiosa para recensear-me. ir à Junta de Freguesia foi a primeira coisa que fiz na manhã do meu aniversário. é das Liberdades que mais prezo. acabei por tirar a carta de condução no ano seguinte, sem pressa e com muito gosto.

durante cinco anos troquei o caminhar pela Avenida da Liberdade pelo aniversário do meu ex-sogro que nasceu no dia vinte e cinco de Abril. passou a ser uma celebração por Amor. esta reviravolta custou-me um pouco, habituada que estava a ter esse tempo só para mim. mas o meu ex-sogro era como um pai e prezo mais o estar em família.

 

Texto e imagem da autoria de: Ana de Deus

 
28
Fev20

A Liberdade de... Teoria do nada


A minha liberdade

Recebi um convite da MJP do Blog Liberdade aos 42, para falar da minha liberdade. Demorei a escrever este texto, ou aliás, demorei a começar a escrever, depois saiu tudo de forma muito fácil. 

A minha liberdade tem mudado ao longo da vida. A personalidade, a consciência de mim própria e da sociedade onde me insiro, as minhas crenças, as leis a que estou sujeita, são influenciadoras da minha liberdade.

Quando nasci, o país não tinha liberdade, de falar, de escrever o que pensava ou achava correcto, se fosse diferente de quem o liderava. Mas desses tempos pouco me lembro, mas sentia o medo por parte dos meus pais e houve algo que só percebi muito mais tarde. A minha mãe dizia, muito: já somos três, não podemos continuar a falar. Só mais tarde percebi que três pessoas na rua a falar podia ser um acto de “conspiração” ou algo do género. Sentia o medo, mas não o entendia.

Fui crescendo e não tinha liberdade para fazer tudo o que gostaria, mas fazia parte das regras. Lembro-me de votar pela primeira vez com 18 anos, e como não tinha qualquer consciência política, fui votar no partido ou pessoa que o meu pai indicou, neste caso eram umas presidenciais e votei na pessoa que mais tarde me arrependi amargamente de o ter feito. Mas a escolha era minha, eu é que não me interessava ainda por política e para mim era igual. Mas não era, ou agora vejo que não era de todo.

Com a idade fui tendo muitas discussões políticas com o meu pai, fruto de termos pensamentos e ideais diferentes, e isso é sinal de liberdade. Essas discussões duram até hoje.

Também com a idade, aprendi a dizer NÃO a determinadas situações, a tudo o que não quero fazer.

Mais tarde aprendi a dizer NÃO, a todas as pessoas que não me acrescentam nada de bom, ou não interessam para coisa alguma, ou simplesmente não nos trazem boas energias.

No trabalho, procuro sempre a minha liberdade, e para isso percebi que só havia um caminho, ainda que arriscado, tinha que ser a minha própria empregadora, há muitos riscos inerentes, mas nada como sermos nós a gerir a nossa agenda e forma de trabalhar. Já o faço desta forma como trabalhadora independente desde 2004, e apesar de não ser tão estável financeiramente, compensa muito em liberdade. Só temos de ter muita disciplina a gerir os ganhos e os gastos.

O próximo passo para a liberdade é atingir a independência financeira.

Já digo o que quero, sem me preocupar com o que os outros pensam, visto como quero, faço o que quero e dou-me apenas com quem quero, esta foi a mais difícil e recente liberdade, dar-me com quem quero e cortar radicalmente com quem não quero estar.

 

Livre

Independente

Bem-estar e de Bem com a vida

Escolher

Respeito

Direito

Autónoma

Descontraída 

Empoderada 

E esta é a minha liberdade e a pessoa que eu sou.

 

Texto da autoria de: Teoria do nada

 

21
Fev20

A Liberdade de... Lady


A pergunta que se impõe é “Terei liberdade aos 50?”

 

E dou comigo a pensar …

Muitas vezes, não digo o que penso para não magoar o outro, prefiro omitir.

Muitas vezes, não faço o que me apetece, porque isso iria implicar não dar atenção a alguém, prefiro acolher.

Muitos vezes, não faço aquela viagem, porque não iria estar por cá numa data importante para alguém próximo e prefiro adiar.

Tantas coisas que tenho protelado na minha vida, falo das que faço por livre escolha, porque me não me ponho em primeiro lugar.

Cheguei aquela idade, em que tenho uma filha crescida e que pensei, é agora, agora é que me vou dar prioridade e de repente olho para os meus que estão a envelhecer e a necessitar de atenção e penso, vamos esperar mais um pouco, adiar mais um pouco, pois não sabemos o dia de amanhã.

 

Se sou livre, sim sou livre para fazer as minhas opções, contudo serei sempre prisioneira de mim mesma.

 

Texto da autoria de: Lady

 

14
Fev20

A Liberdade de... Mamã Gansa


Quando me pediram uma reflexão sobre liberdade a primeira coisa que me veio à cabeça foi este refrão da canção

“Liberdade, Liberdade, quem a tem chama-lhe sua,

Eu não tenho liberdade nem de pôr o pé na rua”

Felizmente não é bem assim que eu vivo e sou grata por isso.

Embora na minha infância tenha tido falta de liberdade, a liberdade de ir à rua, a liberdade de ir à escola foi-me retirada pela Guerra colonial.   Como todas as guerras, uma guerra estúpida sem sentido.   Posso estar grata por ter tido apesar de tudo liberdade para conhecer outras pessoas, outras culturas, outras paisagens e liberdade para viajar.

Posso dizer que tive uma infância com uma liberdade que poucas crianças hoje terão, Liberdade de brincar na rua, liberdade de trepar às árvores,  liberdade de ir e vir da escola a pé.

Mas a liberdade de que venho a falar até agora é  uma liberdade física por assim dizer.

Contudo existem vários tipos de liberdade. E sim, todos conhecemos, mas por vezes não lhes damos valor. Como a Liberdade de expressão, que me permite dizer as baboseiras que me ocorrerem, ler os livros que eu quero, escrever a minha opinião num blogue sem me preocupar com as consequências. Mas permitir-me-á essa liberdade de expressão dizer tudo o que me ocorre sem pensar duas vezes?

Será correto usar a minha liberdade de expressão para inferiorizar, outras pessoas, os seus valores, as suas  culturas crenças ou memórias???

 É claro que se for para denunciar costumes desumanos talvez faça sentido, afinal a evolução da Humanidade fez-se lutando contra alguns destes costumes, mas ao exercermos a nossa liberdade deveremos entender quando devemos ou não respeitar a liberdade dos outros.

Recordou-se recentemente o drama de Auschwitz.  E uma das polémicas era sobre o respeito ao memorial e das fotos que os turistas tiravam como podem ver aqui. O facto de ser uma realidade longínqua para alguns levou a que tirassem umas fotos descontraídas , talvez porque sem maldade na altura, não entendessem o que aquele local pretende manter vivo. A  memória dos horrores que o  Ser Humano é capaz de infligir aos outros seres humanos. O que estava aqui em causa era que essas pessoas são livres de tirar fotos, mas não de desrespeitar  uma memória que causou tanto sofrimento com essas fotos.

Isso levou-me também a refletir na liberdade de pensamento. Eu costumo dizer que em História não quero  seres “decorantes” quero seres “pensantes”. Costumo dizer que é perigoso não se pensar sobre as coisas, sobre o risco de fazermos o ditado  e entrarmos em Ditadura. Como explicar que o ditado é a ausência da liberdade do pensamento? Recordo-me as juventudes em que os Jovens cresciam a acreditar que tinham a liberdade de humilhar outros e tirar vidas. Choca-me que uma das mais cruéis guardas de Auschwitz tivesse vinte anos quando foi enforcada por crimes à Humanidade.  Ela cometeu-os porque foi privada desde cedo da liberdade de pensar pela sua própria cabeça, porque decorou e acreditou que o que lhe ditaram era o que estava correto. Este é o grande perigo dos ditados,  da ausência de liberdade de pensamento.  Podia ser alguém intrinsecamente com maus ímpetos ou  estes teriam sido originados porque o seu pensamento foi formatado desde cedo, sem liberdade para formatar a sua personalidade?

Mas ainda há outro tipo de liberdade que pouco se fala no nosso país, e esta liberdade financeira, creio que poucas pessoas no nosso país podem sentir que têm liberdade financeira.  Em famílias como a minha em que um dos elementos do agregado familiar necessita de cuidados especiais e o elemento que mais contribuía se encontra em situação de desemprego, confesso que não posso dizer que usufruamos dessa liberdade. E tenho conhecimento de situações bem mais desfavoráveis que a nossa.

Por último, que já me alonguei, há uma liberdade em que cada vez me identifico mais a liberdade de espírito, de viver plenamente cada momento, é uma liberdade das mais valiosas e a não foi a  primeira lição que tive na vida, sobre essa liberdade, mas a mais valiosa foi-me trazida pelo meu filho, quando o vejo feliz a correr, a rodopiar sobre si próprio, a brincar da sua forma particular em que não se importa com o que os rodeiam possam pensar,  a verdade é que ele me tem transmitido essa liberdade de espírito que eu já tinha esquecido, que estava adormecida dentro de mim com a luta pelo diagnóstico, a liberdade de ser a mãe que quero ser para o meu filho, e não a mãe que os outros querem que eu seja.

A liberdade da mãe que “uiva” feliz no carro, porque sente que o seu filho é um ser feliz livre de preconceitos.

Às vezes pensamos que somos livres mas estamos presos a preconceitos e até a memórias ou objetos.

E afinal, a Liberdade é o que sentimos quando nada mais importa quando somos felizes com o que nos rodeia.

Resta-me agradecer o convite da MJP e a liberdade que ela me deu de partilhar este como sua convidada o que para mim foi uma honra.

Mamã Gansa

 

Texto da autoria de: Mamã Gansa

 

07
Fev20

A Liberdade de... Bia


Para mim, liberdade é...
 

Leveza
Inteligência
Bravura
Embelezamento
Realidade
Doçura
Armadura
Direito
Elevação

Não vou estar com dissertações. Tirem as vossas conclusões. Façam as vossas reflexões.

Para mim, liberdade é...

L
I
B
E
R
D
A
D
E

 

Texto da autoria de: Bia

 

No final do e-mail, a Bia escrevia:

"Acho que seria giro desafiar a malta a fazer o mesmo que eu fiz e escolher assim uma palavra para cada letra da palavra "liberdade"."

Desafio aceite, Querida Bia!

 

31
Jan20

A Liberdade de... Rute Justino


A minha Liberdade

Sempre fui muito liberal, gosto de ter o meu próprio espaço.

Sempre dei muita importância e valor à liberdade!

 

Das coisas melhores que podemos ter na vida sem qualquer duvida!

 

Para mim a liberdade de expressão tem uma tremenda importância, se eu não consegui-se ter essa liberdade acredito que o meu chakra da garganta rebentaria num instante!

 

Sou liberal em tudo o que faço..

Gosto de ter a liberdade de tomar as minhas decisões e escolhas.

 

E um dia mesmo que muito me custe vou ter que dar essa liberdade também aos meus filhos...

Pois a vida é mesmo assim.. e ainda bem que o é!

 

Texto da autoria de: Rute Justino

 

24
Jan20

A Liberdade de... Maria Araújo


No mail Sapo, um título de um e-mail dizia "convite", reconheci as iniciais da pessoa (caso contrário nem abria o e-mail), fiquei de olhos demasiado  abertos e coração trémulo quando o li.

A MJP convidara-me para participar  com um texto nesta rubrica do seu blog, foi com prazer que aceitei escrever o que é para mim a Liberdade, um conceito tão abrangente  e com muito pano para mangas a ser partilhado.

Grata pelo convite e simpatia.




O que é para mim a Liberdade?

 

A Liberdade de...

 

O meu conceito  liberdade está, em primeiro lugar, no respeito por mim própria,  e depois no respeito que tenho na relação com as pessoas, com os animais, com o ambiente.

A praia é uma fonte de liberdade, gosto muito de caminhar na areia, nos dias de sol, sobretudo na época não balnear .

O meu sentimento de respeito pela natureza, pelos pássaros,  pelo mar, pela areia, pelas rochas, pelas gaivotas, por tudo quanto a praia me dá, é imenso. E são eles que me fazem sentir  livre e bem comigo própria.

Sentir o mar gelado nos pés, caminhar praia fora, pisando, por vezes, as  pegadas solitárias de alguém e sentir o que me podem transmitir momentos de reflexão e de libertação; de  prazer de ter a praia só para si.

E de costas para o sol, a sombra projectada na areia dá-me a sensação de liberdade, de paz, a pessoa  grande que sou. Não porque me faça sentir que sou importante, ou alguém que olha somente para o seu umbigo, nada disso, mas de  alguém que é livre de viver a vida de forma consciente, de ser responsável pelos seus actos, de estar sempre grata pelo que teve e consquistou ao longo dos anos, de gostar da solidão quando se sente tranquila e feliz, de sentir prazer numa boa companhia para partilhar conversas de vidas de sofrimento, de alegria, de paixões vividas, de filhos, de divórcios, de tudo e de nada.

E a minha sombra é livre  de sorrir, de dançar, de abrir os braços para sentir no corpo a aragem fresca do mar,  imitar o vôo das gaivotas, imaginar como será ter a liberdade de planar, de pousar onde quiserem e como quiserem.

Caminho de costas para o sol,  a minha sombra é livre de caminhar à minha frente e fazer-me sonhar e acreditar que este mundo ainda vai ser um lugar livre de egoísmo,  de opressões, de racismo e xenofobia. Um lugar sustentável e saudável para todos.

Basta os homens quererem. Basta respeitarem-se... E esta minha  liberdade de sonhar na paz e na igualdade.

De regresso ao ponto de partida, o meu corpo sente-se  mais livre, abre os braços para o sol, sorri-lhe e agradece-lhe  a energia que precisa para enfrentar o dia-a-dia, as adversidades, o trabalho, a rotina, os pensamentos negativos, as outras pessoas.

O conceito de liberdade é vasto.

Fiquei pelo que mais tem a ver comigo.

Grata, MJP

 

Texto da autoria de: Maria Araújo

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D